Home » Doenças de Pele » O que é HPV? Tem Cura? Como se Transmite?

O que é HPV? Tem Cura? Como se Transmite?

HPV é o Papiloma Vírus Humano que causa verrugas na pele, na boca e nos órgãos genitais de homens e mulheres. O HPV é considerado uma doença sexualmente transmissível e pode ser prevenido através de vacina. 

O HPV é o vírus causador do Herpes Labial e Herpes Genital. Existem mais de 200 tipos de HPV e, dentre eles, 14 podem causar, futuramente, câncer no colo do útero, pênis, garganta ou ânus.

Os tipos de vírus do HPV que causam as verrugas genitais não costumam causar verrugas em outras partes do corpo, mas podem causar verrugas labiais.

Sintomas de HPV em Mulheres

Na mulher, o HPV provoca verrugas na vulva (parte externa da vagina), nos grandes lábios e nos pequenos lábios. Em alguns casos, pode atingir o colo do útero e o ânus.

As verrugas ainda podem se agrupar e ficarem com aspecto semelhante a couve-flor, formando placas nos órgãos genitais.

O diagnóstico é feito através do exame visual. Em casos de HPV no colo do útero, o Teste de Papanicolau (preventivo) com esfregaço cervical ou anal é a melhor forma de diagnosticar o problema.




Sintomas de HPV nos Homens

O HPV nos homens pode não apresentar sintomas ou apresentar-se através de verrugas no pênis, no saco escrotal e no ânus. Essas verrugas também podem se agrupar e formar placas.

Assim como nas mulheres, o diagnóstico masculino do HPV é feito através do exame visual.




Transmissão do HPV – Como se Pega?

O HPV é transmitido através do contato sexual, incluindo o sexo oral e o beijo. O vírus também pode ser transmitido através do contato com objetos contaminados, principalmente roupas íntimas e toalhas usadas.

Gestantes podem transmitir o HPV para o bebê durante o parto normal.

Nem sempre é preciso estar com verrugas visíveis para transmitir o HPV, pois é possível que algumas verrugas invisíveis a olho nu estejam presentes mesmo sem apresentar qualquer sintoma.

HPV tem Cura?

O HPV geralmente não tem cura, mas algumas pessoas podem entrar em contato com o vírus, não desenvolverem os sintomas e o expulsarem naturalmente do corpo. Mesmo assim elas poderão transmitir o vírus enquanto estiverem contaminadas mesmo sem apresentarem qualquer sintoma.

Uma vez que o/a paciente contraiu a infecção e manifestou os sinais clínicos, o vírus não é eliminado do corpo mas fica, na maior parte do tempo, inativo, sem causar as verrugas genitais e o/a paciente consegue levar uma vida normal mesmo com a doença.

Tratamento para o HPV

O tratamento do HPV consiste em eliminar as verrugas quando elas surgem, já que o vírus não pode ser eliminado permanentemente do corpo.

Para isso, remédios antivirais próprios para o herpes – infecção por HPV nos lábios e genitais, são utilizados, como Aciclovir e Penvir. Os remédios antivirais em comprimidos são mais eficazes que os cremes e pomadas. O primeiro comprimido deve ser tomado assim que o/a paciente notar que as verrugas estão surgindo.

A dose recomendada é de 4 a 6 comprimidos por dia, até que as verrugas desapareçam.

Cirurgias de cauterização também podem ser realizadas de tempos em tempos para “queimarem” e destruírem as verrugas que surgem em várias partes do corpo através de laser.

Prevenção do HPV

A melhor forma de se prevenir contra o HPV é manter relações sexuais apenas com camisinha, inclusive o sexo oral. Como o HPV é transmitido também através do beijo, é importante não beijar pessoas que estejam com verrugas aparentes nos lábios para se prevenir ao máximo.

Também não compartilhe roupas íntimas ou toalhas de banho.

Vacina Contra o HPV

A vacina para o HPV é oferecida pelo SUS para meninos entre 12 e 13 anos e meninas entre 9 e 14 anos. É uma vacina muito importante, pois ajuda a prevenir a infecção contra o vírus e também alguns tipos de cânceres provocados por ele, incluindo o câncer de colo de útero.

A vacina particular pode ser tomada por pessoas entre 9 e 26 anos que ainda não tenham entrado em contato com o vírus.

A vacina protege conta os 4 tipos mais comuns do vírus, ou seja, é polivalente. Não deve ser utilizada em casos de febre, dor e infecção aguda, alergia aos componentes da fórmula, trombocitopenia e gravidez.